• Jessica Dourado

Eu na versão profissional: como criei minha marca

Atualizado: Mai 3


Estou na vida de freelancer há um tempo, mas foi recentemente que senti a necessidade de me apresentar um pouco melhor quando envio propostas, briefings e orçamentos.


Ter um logo, uma identidade visual, uma “carinha profissional” não era uma coisa que eu me preocupava. Até então tinha em mente que apenas empresas e pessoas relevantes (que acabam se tornando uma empresa) precisavam disso.


Mas eu estava enganada! Eu poderia, sim, ter a minha própria marca, mesmo sendo (por agora) apenas uma redatora freelancer. Não é preciso ser grande para ter uma marca, mas ter uma marca te ajuda a crescer. E é exatamente isso que estou buscando!


Processo de criação


Como não tenho dinheiro para pagar um designer e nem coragem de pedir isso para meus amigos do meio (acho um serviço muito complexo e delicado para pedir como favor), meti minha cara em apps e na minha habilidade limitada em programas de edição.


Comecei a perguntar para amigos qual símbolo eles achavam que combinava mais comigo. Junto a essas informações eu fui pesquisando símbolos que pudessem remeter a redação, assessoria e redes sociais (os serviços que ofereço).


Passei pelos ícones de mãos escrevendo, digitando, microfones fazendo entrevista, alvos (que remetem muito ao marketing) e fui desanimando.


Refiz minha linha de pensamento. Fiquei com as anotações e ideias que me pareciam mais úteis (no processo teve muita coisa que achei bonitinha, mas que não serviu de nada). E acabei por decidir e meio que montar, um ícone que são dois balões de fala (usados em quadrihnos) e a frente uma lâmpada.


Significado dos ícones


Balões de fala: a ideia é que eles representem a troca de ideias, a conversa, o networking. Tudo que precisa ser dito e ouvido para que o trabalho de redação, assessoria e redes sociais comece.


Lâmpada: bem famosa no segmento de marketing digital, a lâmpada remete ao termo ideia. E ainda traz um plus, como se fosse uma ideia genial.


A intenção dos dois juntos é mostrar que por meio da troca de informações, do que observo, escuto, converso, posso ter grandes ideias para o seu negócio. E, claro, colocar em prática essas ideias. Tanto na hora de redigir, como na hora de assessorar e gerir suas redes sociais.


E as cores?


As cores não tiveram muito significado por trás. Eu fui vendo cores que se combinavam. Cheguei no salmão e no roxo depois de um tempão testando tons.


Gosto muito de amarelo, mas essa cor já é massivamente usando no meio de agências de publicidade e pessoas que trabalham com marketing digital.


Também sou fã do vermelho. No entanto, o vermelho não estava ornando com os ícones e com a grafia do meu nome e os serviços que estou oferecendo.


Resultado e desdobramentos


O resultado foi um """logo""" modesto. Mas que já fez a diferença!


Na mesma semana que fiz o logo já desenvolvi cartão de visitas, papel timbrado, assinatura de e-mail e até a mesmo a capa desse blog que vocês estão lendo.


Logo em seguida enviei uma proposta para uma potencial cliente. A primeira coisa que ela elogiou foi o papel timbrado com a minha marca. Causei uma boa primeira impressão. Fez uma enorme diferença apresentar meus serviços e meus preços em um lugar onde tinha a minha marca. Deu todo o tom profissional, me deu mais proriedade.


Estou morrendo de vergonha de divulgar aqui, mas acho importante também.


Nossa "pessoa profissional" ter uma carinha, um logo, um papel timbrado, faz toda a diferença, vale a pena o tempo de dedicação. Deixo aqui o conselho de quem já tinha sentido a necessidade, e agora sentiu a diferença (para melhor, obviamente).



30 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo